A esplêndida sede do Museu Salvatore Ferragamo, além da sua butique e dos seus escritórios, era originalmente o palácio medieval da família Spini-Feroni. A história florentina o coloca num lugar de destaque na escala social da Florença daquele período. Geri Spini era, no século XIV, o banqueiro do Papa Bonifácio VIII  e fazia parte da facção dos Guelfi Neri. No chamado espaço nobre, existe ainda hoje uma capela que no século XVI recebeu afrescos de Poccetti.

Salvatore Ferragamo era originário da região da Campania, mas há muito tempo a sua família vivia nos Estados Unidos e foi de lá quele emigrou novamente para a Itália. Estabeleceu-se com o próprio ateliê em Florença, mais precisamente no Palácio que mais tarde compraria e onde ainda hoje podemos admirar suas coleções. Com a sua morte, a atividade passou oara as mãos dos filhos e esposa, que até hoje a administram com todo amor e dedicação. Infelizmente também sua filha Fiamma, criadora de modelos e com um papel fundamental na empresa, morrerá vítima de câncer como o pai, deixando como herança criações inesquecíveis. A empresa produziu 950 modelos de sapatos, num total de 14500, conservados no estoque.

Os sapatos presentes no museu ainda estão em produção até hoje, muitos modelos foram produzidos também por outros designers enquanto os desenhados por Salvatore, até 1960, e por Fiamma até 1998, totalizam 8000. Ferragamo tornou-se uma importante maison de moda e o seu famoso “Foulard” foi criado pelo próprio Salvatore que cheto a ver em produção somente um, porque morreu vítima do câncer. Cada foulard passa por um processo de coloração, por isso quanto mais cores há a sua realização, mais esta é considerada complexa e preciosa.

Mas a atividade da Maison non se limita a modelos tradicionais, os modelos patenteados por Ferragamo são 400 como o produzido durante o fascismo utilizando cortiça, já que no período da ditadura não era permitido usar material importado, e assim desenvolveu uma técnica de notável renovação. Mesmo se ele se autodefiniva um simples sapateiro.

Durante o período de Florença capital algumas de suas salas foram destinadas ao Conselho Municipal e sucessivamente por cerca de 12 anos , o espaço foi transformado no Hotel Europe enquanto o Museu propriamente dito surgiu somente no ano de 2006 por desejo da família Ferragamo.

Em 2016 foi inaugurada a primeira mostra no palácio.